" CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ "

terça-feira, 29 de maio de 2012

MATRIARCAS DA BÍBLIA




MATRIARCAS  DA  BÍBLIA

No começo dos textos bíblicos algumas histórias foram escritas procurando apresentar a genealogia dos primeiros povos, bem como a herança de uma benção divina e uma promessa por uma terra com justiça e paz.
A origem de um povo contada na Bíblia remonta à história da humanidade. Nesta narração surgiram as personagens que se destacaram numa missão que conduziram um projeto de vida. Foi neste sentido que o autor do Gênesis se inspirou no contexto de sua realidade para entender o sentido da Criação. Daí a compreensão de que somos imagem e semelhança do Criador.
A Bíblia conta que “a mulher de Abrão chama-se SARAI. Era estéril e não tinha filhos” (Gn 11,29s). “Abrão levou consigo sua mulher Sarai, seu sobrinho Ló, todos os bens que possuíam e os escravos que haviam adquiridos em Harã. Partiram para a terra de Canaã e aí chegaram (Gn 12,5).
Percebemos que o texto é claro em dizer quem levou a família foi o patriarca Abrão e que sua mulher Sarai era estéril. O que isto quer dizer? Parece ser só um detalhe, mas no decorrer da história irá fazer muita diferença.
Vejamos a cena de Sarai que se passa como irmã de Abrão no Egito. De fato ela era meia-irmã por parte de pai (Gn 20,12) e era muito bonita (Gn 12,11.13s). O contexto retrata uma realidade de carestia e fome. Reflete a escravidão no Egito e o êxodo, a saída para a libertação. O silencia de Sarai condiz com a mudez feminina no mundo patriarcal, simbolizando o povo oprimido em busca de justiça (Gn 20,1-18).
Sarai propôs que sua serva AGAR tivesse um filho com Abrão por causa de sua esterilidade (Gn 16,1s). A lei permitia este acordo e no caso de Abrão e Sarai era um meio de realizar a promessa de um projeto divino. Mas o projeto de Deus não vigora com Abrão e a escrava egípcia. É com Sarai que acontece o nascimento do filho primogênito de Abrão reconhecido na promessa de Deus na história humana. A partir deste evento Sarai passa a se chamar SARA e Abrão, Abraão. É aqui que acontece a bênção de Deus que diz: “Eu a abençoarei, e dela darei um filho a você, e eu o abençoarei. Dela nascerá nações e reis de povos” (Gn 17,5-16).
Esta é a aliança firmada entre Deus e o seu povo. O povo de Deus nasce de uma relação aberta, franca e enraizada na verdade que inclui todos os povos, pois somos iguais e semelhantes. O texto reflete o sentido que devemos ter em realizar esta igualdade na diversidade de povos, através da solidariedade e da partilha.
Diante de uma matriarca estéril, Sara, nasceu o filho Isaac (Gn 21,1-8). Aonde parecia impossível, foi realizada uma promessa com uma bênção e uma herança. 
Mais adiante, CETURA, concubina de Abraão, a história continua com a descendência dos povos da Arábia (Gn 25,1-6).
Quanto à egípcia, outra matriarca ao lado de Abraão, que diante de tantos desafios familiares, deu à luz a Ismael, e assim, participou da promessa de uma descendência que não poderia contar (Gn 16,10s). Agar foi abençoada por meio do seu filho, porque  Deus vê e ouve a aflição dos necessitados. Agar era uma mulher de visão quando ora a Deus, dizendo: “Aquele-que-me-vê” (Gn 16,13). Deus é Aquele que ouve o grito e o silêncio de todos que buscam a libertação e a salvação.
REBECA, filha de Batuel, deu de beber a Isaac e aos seus camelos. Tornou-se esposa-matriarca de Isaac (Gn 24,15-20.50-67). Foi mãe de Esaú e Jacó (Gn 25,19-27). Intercedeu na bênção para Jacó (Gn 27,11+). E assim a história continua com a promessa de uma descendência.
RAQUEL era uma pastora, filha de Labão, irmão de Rebeca, tio e sogro de Jacó (Gn 29,5-14). LIA era a irmã mais velha de Raquel e por isto se casou primeiro com Jacó. Labão deu sua serva ZELFA como serva para sua filha Lia (Gn 29,15-35). Houve esperteza de Labão em fazer o casamento da filha mais velha. Raquel se tornou esposa de Jacó e BALA era a sua serva. Lia não era amada e Raquel era estéril. Raquel aproxima sua serva Bala a Jacó para gerar filhos. Lia deu Zelfa, sua serva, como esposa para Jacó e gerou filhos. Lia e Raquel geraram filhos e desta geração surgiram as doze tribos de Israel (Gn 30,1-24: 35,23-26: 49,1-28).
O texto contextualiza o drama entre as famílias e a rivalidade entre as mães. É nesta realidade que se inspirou o autor para tratar do plano de Deus e de seu povo. É na história humana que Deus se manifesta, que o povo se organiza e se defende, e que a terra criada deve ser cuidada, como a primeira matriarca de todos nós.

·        Jonas Serafim, professor de Ensino Religioso.
serafimjonas@yahoo.com.br


Um comentário: