" CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ "

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

TEXTOS SAGRADOS



TEXTOS SAGRADOS NAS GRANDES RELIGIÕES

            Leomar Antônio Brustolin[1]

REVISTA RENOVAÇÃO DA CNBB SUL 3
Porto Alegre, julho/agosto de 2004, n. 357.


As tradições religiosas preservam seus ensinamentos e normas através de textos que são considerados sagrados. Atribui-se a eles uma origem divina através de um mensageiro, um iluminado ou um discípulo. Os textos são expressões da relação do humano com o divino. Neles há um forte apelo do Criador e das forças sobrenaturais para que o ser humano torne-se mais justo, compassivo, bom e santo.  O leitor sabe que, ao acolher os ensinamentos dos textos sagrados, pode tornar-se perfeito ou aproximar-se da divindade, dando maior sentido à sua existência.  Os livros sagrados revelam o desejo de transcendência presente nas culturas e povos das mais diferentes regiões do planeta nos diversos períodos da história.

São exemplos de escrituras sagradas: o Bhagavad-Gita do hinduísmo; a Torah do judaísmo; o Tri-Pitakas do budismo; o Novo Testamento do cristianismo e o Alcorão dos muçulmanos. Há muitos textos e saberes sagrados difundidos pelo globo, mas estes são os mais conhecidos e pela maior parte da população mundial. 


1.

O BHAGAVAD-GITA dos hindus


É conhecido como Sublime Canção, Canção do Senhor ou a Mensagem do Mestre, que é um dos pilares da literatura sagrada mundial. No livro, Krishna, que viveu na Índia antiga há mais de 5.000 anos, há uma mensagem de amor, fé e esperança. Reverenciado por budistas, hindus e brâmanes é também, por excelência, o livro principal da religião hindu. Sua filosofia é um episódio da antiga epopéia hindu: Mahâbhârata (Maha = grande, Bhârata = Índia), que compreende 250 mil versículos, descrevendo a grande guerra entre os Kurus e os Pândavas. A batalha teve início quando Brishma, comandante dos Kurus, deu o sinal, tocando a sua corneta e logo foi respondido pelos Pandâvas. Arjuna pede então a Krishna no princípio da batalha que deixe parar o carro no meio do espaço entre os dois exércitos e eis que vê de perto seus parentes e amigos, em ambos os lados, fica horrorizado por constatar que se trata de uma guerra fratricida, dizendo a Krishna que preferia morrer sem se defender, a matar seus parentes.

A resposta de Krishna é um comovente discurso filosófico, que forma a maior parte do Bhagavad Gita. Escrito na melhor tradição dos livros sagrados, a luta aqui relatada não é outra que a luta travada no espírito humano do Bem contra o Mal. A supremacia do espírito sobre o egoísmo, paixões e prazeres mundanos. Sua leitura leva a diversos níveis de compreensão de verdades místicas e esotéricas.


2.

O TRI-PITAKAS dos budistas

Do sânscrito significa As Três Seções das Escrituras Budistas e compreendem o Sutra-Pitaka (Sermões), o Vinaya-Pitaka (Preceitos da Fraternidade Budista) e o Abhidarma-Pitaka (Comentários).

Sidarta Gautama, o Buda, nasceu em 556 a.C., no sopé do Himalaia, atual Nepal. Abandonou a vida principesca e se tornou um mendigo em busca da realidade espiritual. Em 521 a.C., à sombra de uma árvore, atingiu a iluminação. Após 45 anos, pregando a sabedoria e a compaixão, entrou no Nirvana ou alcançou a "Grande Morte".

As escrituras budistas foram traduzidas na China no ano 151 d.C., pelo Imperador Huan. Durante 1.700 anos as traduções para o chinês se processaram, alcançando a cifra de 1.440 escrituras contidas em 5.586 volumes.  
Seus ensinamentos referem-se a quatro preceitos fundamentais: (1) procurar boas companhias; (2) entender a lei; (3) fortalecer a mente através da reflexão; (4) praticar a virtude.

Quanto ao comportamento prevê dez mandamentos:
I. Não matar.
II. Não roubar.
III. Não falar mal dos outros.
IV. Não mentir.
V. Não ingerir alimentos antes das horas pré-fixadas e se abster de bebidas alcoólicas.
VI. Não assistir à festas e espetáculos.
VII. Abster-se de perfumes, ungüentos, adornos e grinaldas.
VIII. Não cobiçar nada de ninguém.
IX. Evitar o conforto de leitos macios.
X. Abster-se de receber esmolas em dinheiro.

 

3. A TORÁ dos judeus.


A Tora (Lei) original foi transmitida por Deus a Moisés, após ter permanecido 40 dias e 40 noites sem comer, dormir ou beber. A Torá foi ensinada ao povo e seu conteúdo foi compilado na íntegra, para que jamais fosse esquecido e permanecesse imutável, mesmo com a morte dos sábios que a transmitiram, de geração a geração


O rolo da Torá que é aberto e lido na sinagoga, é escrito com uma técnica especial por um sôfer ( escriba) , em pergaminho de couro de animal e tinta à pena. Qualquer letra a mais, a menos, falhada ou apagada, invalida todo o rolo da Torá e sua santidade. Ela deve ser periodicamente revisada



3.1 A precisão do texto


A Torá foi originalmente ditada por Deus a Moisés, letra por letra. O Midraxe nos diz: "Antes de sua morte, Moisés escreveu treze rolos de Torá. Doze foram distribuídos a cada uma das doze Tribos. O 13º foi colocado na Arca da Aliança juntamente com as tábuas". Como eram conferidos os novos rolos? Um autêntico "texto de prova" era sempre mantido no Templo Sagrado em Jerusalém, e os outros rolos podiam ser conferidos baseando-se nele. Após a destruição do Segundo Templo em 70 dC, os sábios faziam conferências periódicas para eliminar qualquer falha.

Quantas letras há na Torá? São 304.805 letras e 79.976 palavras. O meticuloso processo de copiar um rolo à mão leva mais de duas mil horas (trabalho de tempo integral por um ano).
Para eliminar qualquer chance de erro humano, o Talmud enumera mais de vinte fatores relevantes para que um rolo de Torá possa ser considerado apto. Este é o sistema de segurança embutido na Torá. Se faltar algum destes fatores, ela não terá a santidade necessária nem poderá ser usada para leitura em público. 


Quando um rolo da Torá fica pronto para ser entregue num estabelecimento, geralmente sinagogas e casas de estudos onde será utilizada para os serviços religiosos, uma grande festa toma lugar. É armada, em honra à Tora, uma chupá, pálio - cobertura de tecido que é usada sob os noivos no dia de seu casamento sob a qual recebem as bênçãos de sua união. Este costume é alusivo ao noivo, Deus, e seu casamento com Sua noiva - Israel. Todos dançam com a Torá com música e alegria.
A leitura da Torá é realizada segundas e quintas-feiras, no Shabat e nas festas judaicas, em Rosh Chôdesh (o primeiro dia do mês) e com jejuns. 


Para os judeus Moisés escreveu todos os cinco livros da Torá. As passagens que se referem a ele aparecem na terceira pessoa, pois cada uma de suas palavras foi-lhe ditada por Deus.
A Torá é também denominada pelos seguintes nomes: Leis de Moisés, Chumash ou Pentatêuco. É composta por cinco livros: Bereshit (Gênesis), Shemot (Êxodo), Vayikra (Levítico), Bamidbar (Números) e Devarim (Deuteronômio).

3.2

O Talmud e a Mishná


A Torá oral foi ensinada de boca em boca através das gerações até o século IV d.C., quando então foi demais para o povo lembrar, fez-se anotações em um enorme documento, constituído de muitos volumes, chamado Mishná.
A Mishná foi ensinada nas escolas no decorrer de gerações, acompanhada de uma explicação oral. No século V d.C., tornou-se muito vasta e confusa para as pessoas entenderem, assim, a explicação oral foi escrita em uma coleção que explica melhor a Mishná. É o Talmud (a explicação da Mishná).
Os 63 volumes da Mishná são divididos em seis seções, cada uma sobre uma área diferente da antiga vida judaica: agricultura, dias Festivos, lei civil, relações familiares, sacrifícios no Templo e pureza ritual.
O Talmud define e dá forma ao judaísmo, alicerçando todas as leis e rituais judaicos. Enquanto o Chumash (o Pentateuco, ou os cinco livros de Moisés) apenas alude aos Mandamentos, o Talmud os explica, discute e esclarece.

4. O NOVO TESTAMENTO dos cristãos

Os primeiros manuscritos do Novo Testamento que chegaram até nós são algumas das cartas do Apóstolo Paulo, destinadas a pequenos grupos de pessoas de diversos povoados que acreditavam no Evangelho por ele pregado.
A formação desses grupos marca o início da igreja cristã. As cartas de Paulo eram recebidas e preservadas com todo o cuidado. Não tardou para que esses manuscritos fossem solicitados por outras pessoas. Dessa forma, começaram a ser largamente copiados e as cartas de Paulo passaram a ter grande circulação.




A necessidade de ensinar novos convertidos e o desejo de relatar o testemunho dos primeiros discípulos em relação à vida e aos ensinamentos de Cristo resultaram na escrita dos Evangelhos que, na medida em que as igrejas cresciam e se espalhavam, passaram a ser muito solicitados. Outras cartas, exortações, sermões e manuscritos cristãos similares também começaram a circular.



4.1 Outros Manuscritos


Além dos livros que compõem o atual Novo Testamento, havia outros que circularam nos primeiros séculos da era cristã, como as Cartas de Clemente, o Evangelho de Pedro, o Pastor de Hermas, e a Didaché (ou Ensinamento dos Doze Apóstolos). Durante muitos anos, embora os evangelhos e as cartas de Paulo fossem aceitos de forma geral, não foi feita nenhuma tentativa de determinar quais dos muitos manuscritos eram realmente autorizados. Entretanto, gradualmente, o julgamento das igrejas reuniu a coleção das Escrituras que constituíam um relato mais fiel sobre a vida e ensinamentos de Jesus. No Século IV d.C. foi estabelecido entre os concílios das igrejas um acordo comum e o Novo Testamento foi constituído.



4.2 Traduções


Estima-se que a primeira tradução foi elaborada entre 200 a 300 anos antes de Cristo. Como os judeus que viviam no Egito não compreendiam a língua hebraica, o Antigo Testamento foi traduzido para o grego. Porém, não eram apenas os judeus que viviam no estrangeiro que tinham dificuldade de ler o original em hebraico: com o cativeiro da Babilônia, os judeus da Palestina também já não falavam mais o hebraico.

A primeira tradução se denominou Septuaginta (ou Tradução dos Setenta), e foi realizada por 70 sábios. Contém sete livros que não fazem parte da coleção hebraica; pois não estavam incluídos quando o cânon (ou lista oficial) do Antigo Testamento foi estabelecido por exegetas israelitas no final do Século I d.C. A igreja primitiva geralmente incluía tais livros em sua Bíblia. Eles são chamados apócrifos ou deuterocanônicos e encontram-se presentes nas Bíblias de algumas igrejas.


4.3 Esclarecendo os termos:

É conveniente fazer algumas distinções quanto aos nomes:
1) Cânon, do grego Kanón = regra, medida e catálogo;
2) Canônico = livro catalogado - o que significa que é considerado de inspiração divina, portanto é um texto oficial e comum;
3) Protocanônico = livro catalogado próton, isto é, em primeiro lugar ou sempre catalogado;
4) Deuterocanônico = livro catalogado, déuteron ou em segunda instância, posteriormente (após ter sido controvertido);
5) Apócrifo, do grego: apókryphon = livro oculto, isto é, não lido nas assembléias públicas de culto, reservado à leitura particular.  Não significa livro secreto, mas livro que não é considerado de inspiração divina e, portanto não oficial.

4.4 Dois cânones: duas listas de livros, duas Bíblias?


           
No começo do cristianismo, existiam dois cânones, o de Alexandria e o da Palestina. Havia uma certa confusão sobre quais deveriam ser seguidos.  O papa S. Dâmaso, no ano 374, confiou a S. Jerônimo o cuidado de coligir e traduzir os livros santos, sujo conjunto forma o atual cânon ou catálogo da Igreja. O catolicismo reconheceu sempre, e o Concílio Tridentino confirmou a lista de S. Damaso e a
Igreja Católica adotou o cânon grego.

Os protestantes adotaram o cânon farisaico.
O cânon protestante conta apenas com 38 livros, faltando, os seguintes livros: 1 e 2 dos Macabeus, Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico e Baruc. Faltam no livro de Ester uns seis capítulos (10,4 - 16, 24) e no livro de Daniel faltam a oração de Azarias, o cântico dos mancebos, o episódio de Susana e a história de Bel e do Dragão.

A Escritura Sagrada dos Protestantes é composta de 66 livros, sendo 39 no Antigo Testamento e 27 no Novo Testamento. As bíblias de edições católicas contêm 07 livros a mais e pequenos acréscimos em mais dois livros. As Igrejas evangélicas consideram como apócrifos todos os livros e as partes dos livros que foram acrescentados nas bíblias de edições católicas. Os católicos consideram apócrifos os textos que não entraram no elenco dos textos inspirados que  formam a Bíblia.

 

4.5 Os Apócrifos do Novo Testamento


AA    
Apócrifo significa falso, sem autenticidade em relação a bíblia, refere-se aos livros que não foram inspirados por Deus e ausentes na Escritura Sagrada. 

São considerados apócrifos:
1)    Evangelhos: de Maria Madalena, de Tomé, Filipe, Árabe da Infância de Jesus, do Pseudo-Tomé, de Tiago, Morte e Assunção de Maria;


2)  Atos: de Pedro, Tecla e Paulo, Dos doze apóstolos, de Pilatos;


3)   Epístolas: de Pilatos a Herodes, de Pilatos a Tibério, dos apóstolos, de Pedro a Filipe, Paulo aos Laodicenses, Terceira epístola aos Coríntios, de Aristeu;


4) Apocalipses: de Tiago; de João, de Estevão, de Pedro, de Elias, de Esdras, de Baruc; de Sofonias;

5)Testamentos: de Abraão, de Isaac, de Jacó, dos 12 Patriarcas, de Moisés, de Salomão, de Jô.

            
Encontramos nos livros apócrifos valores que a piedade popular conservou como “dogma de fé”. Se não fossem os apócrifos do Segundo Testamento não saberíamos os nomes dos avós de Jesus, dos três reis magos, dos dois ladrões crucificados com Jesus, do soldado que abriu o lado direito de Jesus com a lança, bem como as histórias de Verônica, da infância de Maria, consagração e assunção ao céu, das travessuras de Jesus menino, da descida de Cristo aos infernos, etc. E poderíamos enumerar muitos outros dados.


Também vale ressaltar a presença das mulheres como lideranças marcantes entre os primeiros cristãos. Dos apócrifos não nos resultam a afirmação de que Maria Madalena era prostituta. Aliás, muito menos dos escritos canônicos. Assim como Maria Madalena, Maria, a mãe de Jesus, aparece nos apócrifos como discípula e apóstola. Os cristãos, entretanto, não acolhem esses textos apócrifos como textos sagrados como são os canônicos.

5. O ALCORÃO dos muçulmanos


Alcorão é a palavra de Allah (Deus), revelada a Mohammad (Maomé), desde a Surata (capítulo) da Abertura até a Surata dos Humanos, constituindo o texto sagrado dos muçulmanos, da religião islâmica.

O Islam é uma palavra árabe e implica submissão, entrega e obediência voluntária. O Islam significa completa submissão voluntária a Deus, outro significado literal da palavra Islam é Paz, e isto significa que só se pode encontrar a paz física e mental através da submissão e obediência voluntária a Deus.
Origem

Aos quarenta anos de idade, enquanto estava empenhado em um retiro meditativo, o profeta Mohamed recebeu sua primeira revelação de Deus por intermédio do anjo Gabriel. Maomé era analfabeto e precisou ditar aos seus escribas tudo o que lhe fora revelado por Alá. Essa revelação, que prosseguiu por vinte e três anos, é conhecida como Alcorão.Tão logo ele começou a recitar as palavras que ele ouviu de Gabriel, e a pregar a verdade que Deus havia lhe revelado, ele e seu pequeno grupo de seguidores sofreram perseguições amargas, que se tornaram tão violentas no ano de 622 que Deus lhes ordenou que emigrassem. Este evento é a Hégira (migração), na qual eles se mudaram de Meca para a cidade de Medina, cerca de 260 milhas ao norte, marca o início do calendário muçulmano. Depois de muitos anos, o profeta e seus seguidores retornaram a Meca, onde perdoaram seus inimigos e estabeleceram o Islam definitivamente.  

           
Nenhuma palavra das suas 114 suratas (capítulos) do Alcorão foi mudada no decorrer dos séculos. Diz Deus no Alcorão: ''Eis o Livro que é indubitavelmente a orientação dos tementes a Deus, que crêem no incognoscível, observam a oração e gastam daquilo com o que os agraciamos.’’

           
O Alcorão é a principal fonte da fé e da prática de todo muçulmano. Ele trata de todos os assuntos relacionados com os seres humanos: sabedoria doutrina, rituais e lei, mas o seu tema básico é o relacionamento entre Deus e suas criaturas. Ao mesmo tempo, ele dá orientação para uma sociedade justa, a conduta humana decente e para um eqüitativo sistema econômico.

O Alcorão abrange vários assuntos:
Primeiro - O Alcorão dá o conhecimento de Deus; os seus nomes e atributos, dos anjos, dos Livros por Ele revelados, dos mensageiros por Ele enviados, do dia do juízo final e da predestinação. E mostra as obrigações diante dessa crença.
Segundo - Mostra as regras do bom comportamento, e as virtudes com as quais os homens devem se moldar.
Terceiro - As regras das práticas que organizam a relação dos homens com Deus (orações, paga do Zakat (dízimo), jejum, peregrinação, promessas etc...) e as que regulamentam as relações dos homens entre si, seja individualmente, em grupos ou enquanto nações.
Quarto - As histórias dos povos passados, para que se tire proveito delas, aprendendo com os acertos e com os erros do passado.
 

5.1 Outras fontes sagradas


A Suna, o texto que se refere á prática e ao exemplo do Profeta Maomé é a segunda autoridade para os muçulmanos. Exemplos dos Ditos do Profeta Mohamed O Profeta disse:  
"Deus não tem misericórdia daquele que não tem misericórdia dos outros".
"Ninguém de vós crê realmente, antes de desejar a seu irmão o que deseja a si próprio.'' ''Aquele que se alimenta, enquanto o seu vizinho está passando fome, não é crente.''“ O comerciante honesto está associado aos profetas, aos santos e aos mártires.’’

Consideração Final


            A humanidade conhece muitas formas de se relacionar com o transcendente. Os textos sagrados são pedras preciosas da história das religiões, pois estão carregados de ensinamentos e preceitos que normatizam a vida humana desde os seus aspectos mais básicos até a regularização da boa convivência social.

As escrituras sacras pretendem estimular o crente a desenvolver sua religiosidade através da adesão fiel ao texto revelado que supõe uma fé explícita. Comparados os escritos há muitas diferenças e por isso pretendem uma singularidade diante de outras relações com o sagrado. É inevitável, entretanto,  perceber em todos os textos o desejo de paz e equilíbrio da pessoa e da sociedade que acolhe os escritos. Oxalá o conhecimento dessas semelhanças aproxime os povos da terra para dissipar as forças do ódio que tem dilacerado a humanidade em todo os tempos. Isso não exige que cada religioso perca sua identidade, mas pressupõe que toda relação com o sagrado seja humanizadora e pretenda uma convivência pacífica.

A Regra de Ouro de todas as religiões é o amor. Este conceito não é abstrato, mas se define na relação com o semelhante: Um mestre judeu escreveu: “O que é odioso a vós, não façais aos outros”. O Buda afirmou: Não firais os outros com o que vos fere “. O Mahabaratha hindu diz:” Eis a súmula de todo dever: não façais aos outros o que, se fosse feito a vós, vos causaria dor “. Mohamad (Maomé) ensina:” Nenhum de vós sois um crente até devotar pelo próximo o amor que devotais a vós mesmos “. E Jesus sentencia:” Tudo aquilo que quereis que os homens vos façam, fazei vós a eles “.

Arrisquemos a viver pelo amor, seguindo os mestres e os escritos das religiões, atingiremos o bem maior: amar para ser amado!









[1] Doutor em Teologia e professor de Tradições Religiosas na pós-graduação de Ensino Religioso da Universidade de Caxias do Sul. 

19 comentários:

  1. bom eu entendi para quer que serve os textos sagrados para nos esclarecer o motivo da nossa existencia.ass;dieuller;ccr;manha6ºB;nº8

    ResponderExcluir
  2. eu aprendi que os textos sagrados serve para nos saber o motivo para que ou porque nos vivemos(nossa existensia)no mundo.

    ResponderExcluir
  3. joão pedro dom lustosa 6ºa manha

    ResponderExcluir
  4. alex rodrigue dom lustosa 8ºa manha: os textos sagrados sao livros criado com cada tipo de religiao,com a biblia do cristianismo,olcorao dos musumanos e os tri-pitaka dom budista esses livros sao todos sagrados para cada religiao.

    ResponderExcluir
  5. D.LUSTOSA 6 ANO C TARDE NOME:LUIZ GUSTAVO de SOUZA MATOS N:25
    Professor Jonas eu entendi que onde há textos sagrados é na bíblia sagrada e que há vários livros de o Bhagavad-Gita do hinduísmo; a Torah do judaísmo; o Tri-Pitakas do budismo; o Novo Testamento do cristianismo e o Alcorão dos muçulmanos.eu achei muito legal.

    ResponderExcluir
  6. Bruno de Morais Bezerra,Dom Lustosa 8°A Manha:Eu acho que
    os textos sagrados sao muito inpotantes nao so na igreja
    mais tambem no nosso dia-dia,eu como evangelico uso muito
    a biblia e cada religeao tambem tem seu livro sagrado

    ResponderExcluir
  7. d.gustosa serie:6d nome:fco marcos leite dos santos. tarde

    eu entendi que o texto sagrado serve para nos mostra outros
    tipos religiao,eu axei otimo Jonas

    ResponderExcluir
  8. PROFESSOR JONAS EU ADOREI O TEXTO ASSIN CAROLINA ALVES DE SOUSA NUMERO DA CHAMADA 09 SERIE 6ANO MANHA

    ResponderExcluir
  9. alandelon 6b manha ccr numero 1

    profesor o texto sagrados e muinto bom eu achei otimo
    professor esse texto ele e grande mais e muinto bom
    ele ensina a gente muinto esse texto ele e bom

    ResponderExcluir
  10. CCR 6D M nome: Jean Carlos Martins Da Silva nº25
    Gostei muito texto,apesar de ele ser um pouquinho longo,eu aprendi várias coisas uma delas é que : a religiões preservam o livro sagrado, é etc..

    ResponderExcluir
  11. PAULO GABRIEL 6 ANO D N: 25 TARDE
    DOM ANTONIO DE ALMEIDA LUSTOSA

    PROFESSOR, EU ACHEI ESSE TEXTO MUITO INTERESANTE
    ELE FALA QUE SUAS NORMAS ESTAO NOS TEXTOS SAGRADOS
    E OS TEXTOS SAGRADOS SAO ESCRITURAS ANTIGAS QUE DEIXARAM PRA ELES NO PASSADO ENTAO ELES COMESARAO A APRENDER
    CEDO OQUE DEVIAM FAZER O OQUE DEVIAM NAO FAZER ENTAO
    E TEM VARIAS RELIGIOES E TEM MUITAS ESVRITURAS

    escrituras sagradas: o Bhagavad-Gita do hinduísmo
    Torah do judaísmo; o Tri-Pitakas do budismo

    THAU PROFESSOR

    ResponderExcluir
  12. escola dom antonio de almeida lustosa nome helena nunes da silva serie 6 ano d turno tarde numero da chamada 15 eu achei esse texto muito imteressante e os textos sagrados eu adorei ler é muito legal.

    ResponderExcluir
  13. natalia silva de sousa 6c manha11 de setembro de 2012 12:18

    otexto sagrado elieinportatepara nois icervepara apredemos sobre as religiosidade de noso planetaque inportati

    ResponderExcluir
  14. ccr adriele da silva n:02 8 a manhãeu aprendi que textos sagrados nos esclarecer o motivo da nossa existencia. e tambem nos precisa amar para ser amado

    ResponderExcluir
  15. ccr 6 ano B Manhã Nome:Rafaela dos Santos Queiroz n:26 oi, professor o livro O BHAGAVAD-GITA tem um musica e ela e tao linda. toda quinta-feira eu amo sua aula de religião

    ResponderExcluir
  16. ccr 6 ANO D MANHÃ NOME:ANA VITORIA ABREU DA SILVA N: 5 OI
    ,PROFESSOR EU APRENDI DO TEXTO QUE O LIVRO É SAGRADO PARA NOS EU TAMBEM APRENDI VARIAS COISAS LEGAIS QUE ESSE TEXTO PODE TONA-SE UM SER HUMANO BOM.

    ResponderExcluir

  17. É FASCINANTE E BRILHANTE SABER DOS ALUNOS QUE DEMONSTRAM O QUANTO GOSTAM DA GENTE COMO PROFESSOR E EDUCADOR E COMO NO ENSINO APRENDEMOS JUNTOS. OBRIGADO. CONTINUEMOS NO APRENDIZADO. SHALOM!

    ResponderExcluir
  18. Antonio Micaias Silva de Sousa N: 5 SErie 8 a manhã CMES Dom Antonio de Almeida Lustosa Os textos sagrados são escrituras tradicionais que tratam de conservar os ensinamentos contidos na religião determinada exemplos deles são a Torá Judaica, O Corão islã, O Tao-Te-King Taoísta e a mais conhecida Bíblia cristã.

    ResponderExcluir